Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Quinta-Feira, 27 de Julho de 2017

30/01/2010

Notícias Anteriores

Folha de São Paulo
30/01/2010

Embraer estuda lançamento de avião maior
Jato teria mais de 122 assentos, tamanho máximo fabricado na empresa hoje, mas não competiria com Boeing e Airbus
Principal concorrente da Embraer, a Bombardier espera para 2013 as primeiras encomendas de nova família de jatos com até 145 assentos

FÁBIO AMATO DA AGÊNCIA FOLHA, EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

A Embraer estuda o desenvolvimento de uma nova aeronave que passaria a ser a maior já produzida pela empresa. Chamado dentro da fábrica de 195-X, o jato seria uma versão alongada do modelo 195, topo da linha de aviões comerciais da Embraer, com 122 assentos.

O vice-presidente-executivo para o mercado de aviação comercial da Embraer, Mauro Kern, confirmou a informação. Segundo ele, o jato, se for produzido, vai atender aos clientes a partir de 2015 ou 2016.

"A Embraer está continuamente avaliando novas tecnologias e possibilidades de novos produtos. E temos algumas frentes de estudo hoje olhando para o futuro, que visam o mercado para a segunda metade desta década. Dentre esses estudos, um avião um pouquinho maior do que o 195 é um deles", afirmou o executivo.

Kern negou, no entanto, que a empresa tenha pretensão de concorrer com a gigante norte-americana Boeing e com a francesa Airbus, que produzem aviões com cerca de 150 assentos ou mais.

"Não se trata de termos um plano para enfrentar diretamente a Boeing e a Airbus. Não é isso. É simplesmente aumentar a nossa competitividade com a família de produtos que nós já temos", disse Kern.

A canadense Bombardier, principal concorrente da Embraer, deve começar a entregar dentro de três anos as primeiras encomendas feitas para a sua nova família de jatos, chamada de C-Series. Os dois modelos oferecidos (CS100 e CS300) têm capacidade para acomodar entre 100 e 145 assentos.

Um executivo da Embraer disse, com a condição de que seu nome não fosse revelado, que a empresa está de olho no mercado de substituição de aeronaves antigas na faixa de até 150 assentos. Entre os modelos que se encaixam nessa categoria estão os da família MD-80.

Segundo esse executivo, a Embraer mantém conversações com diversas empresas aéreas que operam aviões um pouco maiores que o 195, entre elas United Airlines, American Airlines e Lufthansa. Essas conversas têm o objetivo de identificar que tamanho de avião pode interessar a essas empresas e o potencial de vendas de uma versão maior do que o modelo 195.

Em 2009, a Embraer entregou 244 aeronaves, marca recorde na história da companhia. Em 2008, a fabricante brasileira havia entregue 204.

 

 

Site Presstur
30/01/2010

TAM negoceia participação na LAN — Imprensa
É “especulação” — diz companhia brasileira

A TAM, maior companhia aérea brasileira e parceira da TAP na Star Alliance, está a negociar ficar com a participação que o presidente eleito do Chile tem no Capital da LAN Chile, segundo notícia do portal da revista brasileira “Exame”, a que um porta-voz da transportadora da família Amaro se referiu como “especulação”.

A notícia da “Exame” diz que a TAM está interessada na participação de 19% que o presidente eleito do Chile, Sebastián Piñera, tem através da holding Axxion e que as conversações estão a ser lideradas pelo banqueiro André Esteves, proprietário do BTG Pactual e membro do Conselho de Administração da TAM.

Sebastián Piñera anunciou durante a campanha a intenção de alienar as participações empresariais de que é proprietário, designadamente na LAN, onde tem ainda mais 7% através da holding Santa Cecília, cuja titularidade passou a ser da sua mulher, Cecília Morel.

A “Exame” escreve que a TAM conta com a injecção de capital propiciada pela oferta pública de acções da sua subsidiária Multiplus, que gere o seu programa de fidelização de clientes, e que estima tenha gerado um encaixe de 1,2 mil milhões de reais.

A notícia diz que a TAM teria “muitas vantagens estratégicas” com uma eventual entrada no capital da LAN Chile, que descreve como uma das maiores companhias aéreas da América Latina, com uma frota de 96 aviões.

“Seria um grande complemento à malha [rede] que a TAM já possui”, diz uma fonte citada na notícia, que avança ainda com uma possibilidade fusão, caso seja aumentado de 20% para 49% o limite máximo de participação de capital estrangeiro em companhias aéreas brasileiras.

A assessoria de imprensa da TAM, em comunicado citado por alguns meios brasileiros, já veio dizer que a notícia sobre o interesse na LAN Chile “não passa de especulação”.

“Sobre as compras de acções da LAN Chile não há nada a declarar”, diz a nota de imprensa da TAM.

Em finais do ano passado circulou com alguma insistência que estava a ser equacionada uma fusão entre a TAM e a TAP, a qual algumas fontes acrescentavam a angolana TAAG.

 

 

Site Turisver
30/01/2010

Airbus já entregou seis mil aeronaves

A Emirates Airlines recebeu recentemente aquele que foi o 6000º avião entregue pela Airbus, um A380, 40 anos depois do primeiro Airbus para um cliente.

O A380 foi entregue numa cerimónia em Hamburgo no passado dia 18 de Janeiro, é o oitavo A380 da Emirates e o 25º a entrar em operação. Mas o que motivou a cerimónia foi o facto de ser o 6000º Airbus entregue pelo fabricante europeu, desde que em Maio de 1974 realizou a sua primeira entrega, um A300B2. Daí até ao primeiro milhar produzido decorreriam nove anos, e desde então a Airbus tem ultrapassado os sucessivos marcos milenares de produção em prazos cada vez mais curtos, estabilizando, desde 2005, num ritmo de produção de um milhar de aeronaves a cada dois anos, grosso modo.

Fundada em 1969, a Airbus divide actualmente o mercado de aviões comerciais de mais de cem lugares com a Boeing, numa competição renhida.

 

 

Site Turisver
30/01/2010

Rynair volta à carga com o pagamento pelas instalações sanitárias a bordo

A Ryanair regressou ao tema do pagamento pelo uso das instalações sanitárias a bordo. A companhia pediu à Boeing para desenvolver uma instalação sanitária operada por moedas.

Uma libra ou um euro, é o custo previsto para o uso das instalações sanitárias nos voos da Ryanair com uma hora de duração ou menos. Segundo Stephen MacNamara, porta-voz da companhia, em declarações à imprensa irlandesa, decorrem conversações com a Boeing para que esta desenvolva e instala em 50 dos aviões 737 da Ryanair instalações sanitárias operadas por moeda. O plural só vale por serem vários aviões, pois em cada um está prevista apenas uma casa de banho, sendo as outras duas substituídas por seis assentos adicionais. Uma novidade que permitirá, segundo a companhia aérea, reduzir as tarifas em cinco por cento neste voos. Segundo McNamara, “não há regra nenhuma que obrigue um avião a ter qualquer instalação sanitária, o que até parece estranho, mas nós acreditamos que três são excessivas”. Refira-se que caso a Ryanair avance com esta inovação, ela terá que ser alvo de aprovação especial, pois os 737 que usa já têm uma configuração com o máximo número de lugares actualmente admitido neste tipo de aeronave.

Sobre este assunto o porta-voz acrescenta que “o que tem piada no Michael (Michael O’Leary, CEO da Rynair) é que ele diz estas coisas como aparte, depois começa a pensar nelas cada vez mais , e depois a fazer contas”, disse ao Irish times. Espera-se pelo próximo aparte de O’Leary.

Página Principal