Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Segunda-Feira, 21 de Agosto de 2017
29/07/2009

Notícias Anteriores

Revista Fator
29/07/2009 - 08:56h

GOL anuncia criação da Vice-Presidência de Gestão & Pessoas

São Paulo – A GOL, a maior companhia aérea de baixo custo e baixa tarifa da América Latina, anuncia a criação da Vice-Presidência de Gestão & Pessoas, gerida pelo executivo sênior Ricardo Khauaja (39).

“Será um grande desafio profissional atuar em uma empresa de serviços que opera em um ramo tão competitivo como a aviação”, afirma Ricardo Khauaja. “A nova Vice-Presidência terá foco permanente nos processos e na operação da GOL, alinhada às políticas de qualidade e organização da Companhia”.

“A criação dessa Vice-Presidência é um passo muito importante, já que agora podemos contar com uma estrutura mais sólida voltada exclusivamente para o desenvolvimento organizacional e a gestão dos nossos profissionais”, completa Constantino de Oliveira Júnior, CEO da GOL.

Com MBA em Finanças pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (IBMEC/RJ), Ricardo Khauaja é formado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), tendo completado o curso “The Transition from Functional to General Management” pela Columbia University (Estados Unidos).

Antes de ingressar na GOL, trabalhou por seis anos na Whirlpool, do ramo de eletrodomésticos, sendo três deles como diretor de Recursos Humanos para América Latina e três como vice-presidente da companhia. Antes disso, atuou por dez anos na Ambev, do segmento de bebidas, exercendo diversas funções, entre elas a de gerente corporativo de Recursos de Humanos, de 2001 até 2003.

Em sua sólida carreira, o executivo já foi responsável pela implementação e gerenciamento de programas de treinamento e desenvolvimento, além de padronização de políticas de benefícios, recrutamento e seleção, avaliações por competências e relações sindicais, entre outros projetos.

Perfil: A GOL, companhia aérea brasileira de baixo custo, oferece cerca de 800 voos diários para 49 destinos que conectam todas as mais importantes cidades do Brasil e os nove principais mercados internacionais na América do Sul. A Companhia opera uma frota jovem e moderna de Boeing 737 Next Generation, as aeronaves mais seguras e confortáveis da classe, com baixos custos com manutenção, combustível e treinamento, e altos índices de utilização e eficiência. O serviço da Companhia – com as marcas GOL, Varig, Gollog, Smiles e Voe Fácil – oferece aos seus clientes a melhor relação custo-benefício do mercado.

 

 

Coluna Claudio Humberto
29/07/2009

Indicado de Jobim no telhado da Infraero

Os leitores desta coluna souberam antes dos jornalões que o ministro Nelson Jobim (Defesa) decidira emplacar na presidência da Infraero seu chefe de gabinete, Murilo Barbosa. Só tem um porém: o memorando de Jobim com o nome de Murilo ainda não chegou à Casa Civil, que acompanha nomeações para cargo de direção, ou à Segurança Institucional da Presidência, que avalia currículos do gabinete militar.

 

 

O Estado de São Paulo
29/07/2009

Justiça manda suspender Expresso Aeroporto e trem de Guarulhos
Promotor vê falhas no Estudo e no Relatório de Impacto Ambiental apresentados pela CPTM para obter licença
Bruno Tavares e Fausto Macedo

A Justiça de Guarulhos, na Grande São Paulo, determinou ontem a imediata paralisação de "toda e qualquer obra" relacionada aos projetos do Expresso Aeroporto e do trem de Guarulhos. Na ação civil pública protocolada em maio pelo Ministério Público Estadual, o promotor Ricardo Manuel Castro apontava falhas no Estudo e no Relatório de Impacto Ambiental (Eia-Rima) apresentados pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) para a obtenção da licença ambiental da obra.

O governo do Estado considera a ligação férrea entre a capital e o Aeroporto Internacional de Cumbica estratégica para atender à crescente demanda de passageiros do setor aéreo e, principalmente, absorver o fluxo de turistas durante a Copa do Mundo de 2014. O projeto prevê o funcionamento compartilhado de duas linhas, num traçado de 28,1 quilômetros - uma ligando a capital paulista ao conjunto habitacional do Parque Cecap, em Guarulhos, e outra entre a Estação da Luz, no centro de São Paulo, e o terminal de passageiros de Cumbica, sem estações intermediárias e com intervalo fixo de 15 minutos.

O primeiro Eia-Rima da obra já havia sido rejeitado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Na ocasião, técnicos detectaram deficiências que não permitiam a análise da viabilidade ambiental do empreendimento. Um novo Eia-Rima foi apresentado pela CPTM e, em 14 de abril deste ano, o Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema) expediu a licença ambiental prévia da obra.

Mas, para o promotor, o segundo Eia-Rima apresenta as mesmas falhas do anterior e, portanto, "é nulo de pleno direito". A avaliação do MPE é baseada em aparecer assinado pelo geógrafo Denis Dorighello Tomás. "Da leitura e análise deste segundo estudo (...), apreende-se que persistem as mesmas insuficiências apontadas no parecer técnico do órgão ambiental competente referente ao primeiro estudo", diz o parecer do geógrafo. O promotor destacou que o Eia-Rima não descreve, por exemplo, "as intervenções relacionadas às áreas e localização dos canteiros de obras; remanejamento de linhas; implantação do Centro de Controle Operacional e implantação das oficinas de trens do Expresso do Aeroporto".

Castro também classificou de "simplórias e generalistas" as informações sobre os impactos da obra na Área de Proteção Ambiental (APA) da Várzea do Tietê, onde está o Parque Ecológico do Tietê. E criticou as análises sobre eventuais riscos à estrutura da Estação da Luz, tombada pelo Patrimônio Histórico. "Limita-se o estudo ambiental a explanar que a estação inicial do Expresso Aeroporto será construída em área atualmente ocupada por oficina de trens da CPTM e que, em razão disso, os impactos serão mínimos", destacou. "Esquece-se o estudo que desenhos de layout da estação apresentados em seu bojo mostram intervenções no sistema viário desta região e intervenções no espaço urbano atual." A CPTM pode recorrer da decisão liminar.

O MPE aguarda o resultado do pedido de suspensão da construção do terceiro terminal de passageiros de Cumbica. Assim como no caso do Expresso Aeroporto e do trem de Guarulhos, o promotor Castro e o procurador Matheus Baraldi Magnani encontraram "falhas e vícios insanáveis" no Eia-Rima apresentado pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) para obter licença ambiental.

 

 

O Estado de São Paulo
29/07/2009

Air France tem outro incidente com sensor
Problema ocorreu com aeronave da empresa que fazia rota Roma-Paris no dia 13 e foi mantido em sigilo; MP aqui pede investigação de frota
Andrei Netto, PARIS

A Air France registrou no dia 13 deste mês um novo incidente com sensores de velocidade de um Airbus. A informação foi mantida em sigilo pela companhia até ontem, quando foi revelada pelo Sindicato Nacional de Pilotos de Linha (SNPL), o maior da França. Idêntica à pane verificada instantes antes do acidente com o Airbus A330 do voo 447, sobre o Oceano Atlântico, em 31 de maio deste ano, a falha ocorreu em um A320 que realizava a rota Roma-Paris.

A informação foi divulgada na noite de ontem pelo jornal Le Figaro e confirmada pelo sindicato da categoria. De acordo com o porta-voz da instituição, Erick Derivry, a falha aconteceu no voo AF 1905, que efetuava a ligação entre os Aeroportos de Fiumicino e Roissy-Charles de Gaulle. O avião estava equipado com tubos de pitot - a designação técnica das sondas - de nova geração, modelo BA, produzidas pela Thales Avionics, consideradas de melhor desempenho em situações meteorológicas adversas.

De acordo com o relatório dos pilotos apresentado à Air France, o avião teria sofrido "perda brutal das indicações de velocidade, seguida de perda das informações anemométricas". São essas informações que orientam os demais instrumentos eletrônicos de navegação dos Airbus.

Ainda na noite de ontem, a Air France confirmou a pane. "O incidente está ligado às novas sondas", disse a companhia aérea, por meio de sua Divisão de Comunicação. "Ele teve duração de alguns segundos, sem nenhuma consequência sobre os passageiros." A nota informa que uma análise está em curso pelos construtores e pelo Escritório de Investigação e Análises para a Aviação Civil (BEA).

O incidente entre Roma e Paris levanta mais dúvidas sobre o Airbus A330-200 que caiu quando realizava o voo AF 447, entre o Rio e Paris, matando os 228 passageiros e tripulantes que estavam a bordo. As sondas pitot, de um modelo anterior (AA), mas também de fabricação da Thales Avionics, estão no centro das suspeitas sobre as causas do desastre.

Investigadores do BEA, responsáveis pela apuração das causas da tragédia, evitam apontar até o momento a pane das sondas como a falha que teria causado a queda do voo AF 447. Por precaução, os maiores sindicatos de pilotos da Air France exigiram, com sucesso, que a companhia acelerasse a troca das sondas dos Airbus.

De acordo com Derivry, caso as análises técnicas confirmem que a sonda esteve na origem do incidente do voo Roma-Paris, o SNPL poderá exigir que a companhia aérea deixe de lado a marca Thales e adote os pitots da Goodrich, que equipa 70% da frota mundial.

DILIGÊNCIAS

O procurador regional da República em São Paulo Sérgio Monteiro Medeiros expediu ofício pedindo à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que faça diligências para apurar se as operadoras de modelos Airbus no Brasil substituíram os tubos pitot de suas aeronaves. A solicitação de Medeiros tem como alvo a TAM "e outras empresas que operem voos domésticos ou internacionais partindo do Brasil, por meio de equipamentos Airbus". O objetivo, diz Medeiros, é saber se as companhias já providenciaram a troca das sondas. O procurador pede para ser informado sobre os resultados, caso a Anac já tenha feito as diligências.

 

 

O Estado de São Paulo
29/07/2009

US$ 1,5 mil por mala perdida na UE
Jamil Chade

Noventa mil malas são perdidas por dia no mundo em aeroportos. O dado foi divulgado pela União Europeia (UE), que ontem propôs novas leis contra empresas aéreas que não consigam recuperar as malas de passageiros e pediu novas compensações por item desaparecido.

A UE anunciou que quer que cada empresa pague pelo menos US$ 1,5 mil por mala perdida. O projeto teria de ser aprovado até 2010. "Estamos enfrentando um sério problema", afirmou Antonio Tajani, comissário de Transporte da Comissão Europeia. "Não é normal que isso ocorra com tanta frequência a cada viagem", disse, admitindo que viaja só com mala de mão para evitar o transtorno.

Entre janeiro e outubro do ano passado, 4,6 milhões de malas foram extraviadas por empresas europeias. A cada 64 passageiros, uma mala desaparece em viagens. Grande parte do problema decorre da falta de coordenação entre empresas e aeroportos.

Somente na Europa, são 10 mil malas perdidas por dia. A Associação de Empresas Aéreas da Europa rebate a tendência e alerta que está conseguindo reduzir o número de malas perdidas por passageiro. Neste ano, a média é de 13 malas extraviadas a cada mil pessoas. No ano passado, eram 15,5 malas.

A UE também espera conseguir a criação de uma agência que faça a vigilância das aéreas. O pacto terá de passar pelo Parlamento Europeu, onde deve enfrentar resistência.

 

 

Mercado e Eventos
29/07/2009

Azul lança tarifas especiais a partir de R$ 69 por trecho

De hoje (29/07) a sexta (31/07), é possível comprar bilhetes aéreos na Azul com tarifas reduzidas. É a promoção meio de semana, válida para embarques às terças, quartas e quintas. As viagens podem ser feitas a partir de 4 de agosto até 1.° de outubro. A passagem varia a partir de R$ 69,00 (por trecho). Os valores são válidos para compra com no mínimo 3 dias de antecedência e permanência de 3 dias no destino.


Página Principal