Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Sábado, 23 de Setembro de 2017

26/05/2009

Notícias Anteriores

Folha Online
26/05/2009 - 19h21
Dois passageiros feridos em turbulência de avião passam por cirurgias em São Paulo
da Folha Online

Duas das 21 pessoas que ficaram feridas durante uma turbulência ocorrida na noite desta segunda-feira (25) durante o voo JJ 8095, da TAM, sofreram fraturas e continuam internadas em hospitais de São Paulo. Uma delas, um passageiro de 59 anos, foi submetido a uma cirurgia na tarde desta terça-feira. Outra passageira, de 73 anos, passará por um procedimento cirúrgico na próxima quinta-feira (28).

Segundo a TAM, ao todo, 21 pessoas ficaram feridas --sendo 16 passageiros e 5 comissários. A turbulência ocorreu pouco antes do avião pousar no aeroporto em Guarulhos (SP).

Rubens Cavallari/Folha Imagem

A empresária Marilda Torres ficou ferida após turbulência em avião da TAM ocorrida na segunda(26); passageiros relatam pânico

De acordo com o hospital Israelita Albert Einstein, o passageiro de 59 anos que está internado desde ontem no local sofreu fraturas no fêmur e no ombro esquerdo. Na tarde de desta terça-feira, ele passou por uma cirurgia para reparação do fêmur e, segundo o hospital, o quadro dele é estável. Porém, ainda não há previsão de alta.

Já o hospital Alemão Oswaldo Cruz informou no final da tarde de hoje que uma mulher de 73 anos que se feriu no voo também sofreu fratura de fêmur e na coluna e será submetida a uma cirurgia na próxima quinta-feira.

O hospital informou que o quadro da passageira é estável, mas que aguarda a realização de exames para a realização do procedimento cirúrgico.

Hoje, uma passageira adolescente, que já estava em casa, em Ribeirão Preto (313 km de SP), sentiu dores e foi examinada num hospital da cidade, também com diagnóstico de fratura.

Voo

O voo JJ 8095 partiu de Miami às 12h11 (horário de Brasília) com 154 passageiros. Ao se aproximar do aeroporto em Guarulhos, enfrentou uma turbulência e pousou às 19h35.

Inicialmente, das 21 pessoas atendidas no posto médico do aeroporto, 13 foram liberadas e oito foram encaminhadas a hospitais. Cinco foram liberadas durante a madrugada, uma deixou o hospital enquanto aguardava transferência e duas permanecem recebendo atendimento médico.

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) informou hoje que recebeu um relatório produzido pela TAM a respeito da turbulência ocorrida no avião. O relatório recebido pela Anac não tem caráter punitivo. Ele apenas segue um protocolo exigido em casos do tipo. O documento foi produzido pela segurança operacional da Anac.

Antes de a Anac receber o documento, a Aeronáutica informou que irá investigar.

 

 

Folha de São Paulo
26/05/2009

Justiça determina bloqueio dos bens dos donos da BRA
Até R$ 10 mi serão congelados para garantir dívidas; em recuperação, aérea só opera com voos fretados
ALAN GRIPP
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

A Justiça do Trabalho no Distrito Federal determinou o bloqueio de bens até o valor de R$ 10 milhões dos irmãos Humberto e Walter Folegatti, donos e fundadores da BRA Transportes Aéreos. A empresa paralisou suas atividades em novembro de 2007 e hoje encontra-se em processo de recuperação judicial.

O bloqueio dos bens atende a ação cautelar do procurador do Trabalho Alessandro Santos de Miranda para garantir o pagamento de salários atrasados e rescisões contratuais de 1.100 trabalhadores da companhia. A dívida (sem multas nem correção) é de R$ 8,5 milhões.

O Ministério Público do Trabalho foi notificado ontem da decisão. Cabe recurso. Humberto e Walter Folegatti, principais acionistas da BRA, não foram localizados pela Folha. Os telefones da companhia aérea disponíveis em listas telefônicas não atendem ou foram desativados.

Na decisão, a juíza determina que fiquem indisponíveis empresas, imóveis e veículos dos proprietários da BRA. O bloqueio vale até o dia 30 de junho de 2010. Até lá, os funcionários devem mover ações individuais em qualquer vara trabalhista do país para obter o pagamento das dívidas. Depois disso, os irmãos Folegatti voltam a ter direito de comercializar os bens.

Em 2005, a BRA deixou de explorar apenas o fretamento de aeronaves e passou a fazer voos regulares. Dois anos depois, porém, em crise financeira, pediu à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) a suspensão de todos os seus voos, com 70 mil passagens emitidas.

Na ocasião, a companhia tinha 4,6% do mercado doméstico, à frente da OceanAir, com 2,61%. A companhia operava 315 voos mensais para 26 destinos nacionais e três internacionais. A frota era composta por dez aeronaves Boeing.

A empresa ainda encontra-se em recuperação judicial e voltou a operar voos charter (fretados) e a vender pacotes turísticos. Entretanto, de acordo com a decisão da Justiça do Trabalho, dá sinais de falência.

Diz a juíza em sua sentença: "Apesar de a primeira ré [BRA] ter entrado em recuperação judicial, ainda não há notícia do pagamento das verbas rescisórias e afins. Aliás, a última manifestação dos réus no processo indica a possibilidade de declaração de autofalência".

 

 

Folha de São Paulo
26/05/2009

Tribunal permite recurso de sócios da VarigLog
DA REPORTAGEM LOCAL

Os ex-sócios brasileiros da VarigLog, Marco Antonio Audi e Marcos Haftel, conseguiram na sexta-feira uma liminar no Tribunal de Justiça de São Paulo que suspende a decisão do juiz Carlos Dias Motta, da 17ª Vara Civil, que os excluiu definitivamente da sociedade da companhia.

Segundo o advogado deles, Marcello Panella, a liminar permitirá que o recurso dos sócios excluídos seja julgado pelo Tribunal de Justiça. Eles entraram com a medida em janeiro, após o juiz José Paulo Magano decidir pelo seu desligamento da companhia aérea.

Motta assumiu o processo de dissolução societária da empresa depois que Magano foi afastado do caso. No início do mês, ele manteve a decisão de Magano e excluiu definitivamente os brasileiros da sociedade.

A VarigLog é a ex-subsidiária de cargas da Varig, que foi vendida para a Volo do Brasil, sociedade formada entre os brasileiros e o fundo americano Matlin Patterson durante a recuperação judicial da Varig.

O fundo Matlin, que hoje controla a VarigLog, disse que não foi informado sobre a decisão e não quis comentar o tema.
(MARINA GAZZONI)

 

 

Folha de São Paulo
26/05/2009

Motores de bimotor que caiu na Bahia serão analisados pela FAB
Caixa-preta será examinada em um laboratório particular em Jundiaí (SP)
DA AGÊNCIA FOLHA
DA REPORTAGEM LOCAL

Os dois motores do avião que caiu na última sexta-feira no sul da Bahia serão analisados pelo CTA (Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial), em São José dos Campos (SP).

A queda ocorreu perto da pista de pouso (a 200 metros) de um complexo hoteleiro no distrito de Trancoso (743 km de Salvador), em Porto Seguro, e causou a morte de 14 pessoas.

No bimotor, modelo King Air, que havia saído de São Paulo, estava o empresário Roger Wright. Com Roger morreu toda a família: a mulher, Lucilla Lins, os filhos Felipe e Verônica, netos, genro e nora.

De acordo com o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, a caixa-preta será examinada em um laboratório particular de Jundiaí (SP).

Não há prazo para a conclusão da investigação, que não tem caráter criminal. O inquérito está sob responsabilidade da Polícia Civil baiana.

Identificação

O Departamento de Polícia Técnica da Bahia deverá concluir até quinta a identificação de quatro corpos das vítimas do acidente, que serão submetidos a análises de exame de DNA.

Ainda é necessária a identificação do copiloto e de três passageiros -entre os quais a mulher de Wright.

Amostras do material genético de parentes das vítimas foram recolhidas ontem e encaminhadas para Salvador, segundo a Secretaria da Segurança Pública do Estado de SP.

De acordo com o governo da Bahia, a análise terminará 48 horas após a chegada do material a Salvador.

De acordo com informações do Cecomsaer (Centro de Comunicação Social da Aeronáutica) e da Infraero, o avião partiu do aeroporto de Congonhas, zona sul de São Paulo, às 18h31, e desapareceu às 21h13, quando o Salvaero (Serviço de Salvamento Aéreo) foi acionado.

Testemunhas disseram à Folha que o avião bateu a asa num barranco antes de cair.

A administração do complexo Terravista disse, por nota, que a tripulação da aeronave fez contato pouco antes do acidente para informar que tinha condições visuais para pouso.

Segundo a FAB, a tragédia em Trancoso foi o 47º acidente aéreo neste ano no país.

 

 

Folha de São Paulo
26/05/2009

Passageiros ficam feridos após turbulência em voo da TAM
Ao menos 13 pessoas foram atendidas assim que avião, vindo de Miami, pousou em Guarulhos
GUILHERME RUSSO
JÉSSIKA TORREZAN
DO "AGORA"

Ao menos 13 pessoas ficaram feridas depois que um avião da TAM passou por uma forte turbulência pouco antes de aterrissar, ontem à noite, no Aeroporto Internacional Governador André Franco Montoro, em Guarulhos (na Grande SP), informou a companhia aérea.

Segundo a Infraero (estatal que administra os aeroportos no país), os passageiros foram atendidos assim que o voo JJ 8095, que decolou de Miami (EUA) às 12h11 (horário de Brasília) com 154 passageiros a bordo, aterrissou, às 19h35.

A TAM informou que uma forte turbulência aconteceu minutos antes do pouso. Em nota, a assessoria da empresa afirmou que "alguns passageiros sofreram ferimentos e estão recebendo toda a assistência necessária da companhia".

Os passageiros que estavam na aeronave relataram momentos de pânico. A empresária Marilda Torres, 56, ficou com o olho roxo e sofreu cortes no supercílio e no nariz. Ela contou que ia para o fundo do avião levar sua bandeja de comida na hora da turbulência.

"A menina [comissária de bordo] tinha esquecido de pegar minha bandeja. De repente, o avião "caiu" mesmo. Eu subi, mas acho que as pessoas me seguraram. Não cheguei a bater no teto do avião. Acho que uma mala caiu por cima de mim."

A empresária contou que, enquanto se arrastava para voltar para o lado do marido, as máscaras de oxigênio caíram.

"Todo mundo estava desesperado, tinha gente caída no chão, gritando. Um rapaz que estava dentro do banheiro grudou no teto. A impressão que dava era a de que o avião estava caindo mesmo."

O advogado Gelson Fabro, 29, sofreu um ferimento na testa e disse que sentia o pescoço muito machucado. Ele contou que a turbulência ocorreu logo depois que a luz para apertar o cinto se acendeu, mas não deu tempo para pôr o equipamento.

"Foi muito assustador. Todos estavam tranquilos quando, de repente, surgiu o alerta e o avião "caiu". Fui parar no banco do lado, depois caí no corredor. Deu a sensação de que o avião estava indo para baixo, tremendo. Todos bateram a cabeça no teto, aquilo que a gente vê em filme. Achei que a aeronave não ia se recuperar."

De acordo com o advogado, a maioria dos comissários de bordo se feriu. Fabro contou que houve muita confusão depois que o avião pousou. "Não havia esquema de emergência, ninguém sabia o que fazer."

Segundo a estatal, "todos os procedimentos de primeiros-socorros foram realizados". "A equipe chegou assim que a porta da aeronave abriu e fez uma avaliação a bordo."

 

 

O Estado de São Paulo
26/05/2009

Suspenso afastamento de sócios da VarigLog

O Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu liminar suspendendo a decisão de excluir definitivamente os sócios brasileiros Marco Antonio Audi e Marcos Haftel da VarigLog.

Na prática, os brasileiros continuam afastados da sociedade, mas a liminar significa que o recurso de apelação apresentado por eles para tentar reverter o afastamento vai continuar em tramitação. De acordo com o advogado de Audi e Haftel, Marcello Panella, do Thiollier e Advogados, a liminar deve vigorar até o julgamento final do recurso de apelação.

No dia 30 de abril, o juiz Carlos Dias Motta, da 17ª Vara Cível de São Paulo, determinou a exclusão definitiva dos sócios brasileiros ao entender que os réus perderam o direito de apelar da decisão por não terem pago corretamente as custas do processo previstas em lei.

Os sócios brasileiros foram excluídos da sociedade por "gestão temerária". Com a exclusão, a VarigLog passou a ser controlada pelo fundo americano Matlin Patterson, situação que fere a legislação brasileira, que limita em 20% a participação de estrangeiros em companhias aéreas.
MARIANA BARBOSA

 

 

O Estado de São Paulo
26/05/2009
Motor do King Air teria falhado
Suspeita surgiu da análise visual das hélices do avião que caiu em Trancoso; liberação de corpos poderá atrasar
Bruno Tavares, Eliana Frazão, Rodrigo Brancatelli e Vitor Hugo Brandalise

A Aeronáutica já reuniu indícios de que um dos motores do Super King Air B-350 teria falhado minutos antes da queda, ocorrida na noite de sexta-feira num condomínio de luxo em Trancoso, no sul da Bahia. O acidente que deixou 14 mortos - dez parentes do empresário paulista Roger Ian Wright - deve começar a ser elucidado hoje, com a degravação da caixa-preta do avião. Após uma inspeção preliminar, os militares decidiram tentar degravá-la nos laboratórios da empresa Táxi Aéreo Marília (TAM), em Jundiaí, no interior de São Paulo.

Os dois motores do turboélice começam a ser periciados hoje no Comando Geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), em São José dos Campos. A suspeita de que um deles parou repentinamente de funcionar surgiu da análise visual das hélices, feita por militares do 2º Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes (Seripa-2), do Recife, ainda no local do acidente.

Peritos ouvidos pelo Estado dizem que uma hélice "fria", sem rotação, costuma apresentar deformidades diferentes de uma em funcionamento. Enquanto a primeira fica quebradiça, a outra tende a se "moldar" à barreira com a qual se chocou.

Testemunhas disseram que o avião já parecia avariado antes da queda e da explosão. Parte dos depoimentos foi confirmada na 2ª Delegacia Circunscricional de Porto Seguro, onde foi aberto inquérito criminal para apurar as causas do acidente. Até ontem, oito pessoas haviam sido ouvidas. O delegado Rafael Zanini, responsável pelas investigações, vai pedir à Justiça o encaminhamento dos resultados da Aeronáutica, para anexar ao inquérito.

Em nova vistoria no local do acidente, ontem, seguranças do Aeroporto do Resort Terravista encontraram "material biológico" junto aos destroços do avião - onde ficava a cabine de comando. Na tarde de ontem, peritos do Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Porto Seguro estiveram no local e encaminharam o material encontrado ao Instituto Médico-Legal (IML) de Salvador.

Isso deve atrasar os trabalhos dos peritos, que esperavam à tarde concluir em 48 horas a identificação de todos os 14 corpos. Segundo o diretor do IML, Raul Barreto, a identificação só dependia da chegada de material genético colhido pela manhã, no IML de São Paulo. Ainda aguardam identificação os corpos de Vera Lúcia Mécio, Lucila Lins, Rosângela Barbosa, do copiloto Nelson Fonseca e da menina Nina Pinheiro.

A família de Roger espera somente a liberação de todos os corpos para marcar uma missa ecumênica, que deve ocorrer provavelmente na quinta-feira, no Sumaré. O meio-irmão de Roger Christopher Apostol veio da Suíça e está em Salvador tratando da documentação para o transporte dos corpos a São Paulo e para o funeral coletivo.

MEIOS-IRMÃOS

Além de Christopher, o empresário tinha outros três meios-irmãos - James Richard Wright, Carlos Eduardo Wright e Marina Wright Arnesen. Filhos de Carlos Wright e Maria Paula Santos, os três vivem em São Paulo. Depois que o casal se separou, Carlos casou com Ellen Rotschild, com quem teve Roger - Ellen vive hoje na Suíça e ainda não há confirmação se virá a São Paulo.

 

 

O Estado de São Paulo
26/05/2009

Voo Miami-SP: turbulência fere 13

Josmar Jozino, William Glauber, Mariana Faraco e Bruno Tavares

O voo JJ 8095, da TAM, que decolou de Miami, nos Estados Unidos, às 12h11, com 154 passageiros a bordo, sofreu uma turbulência 30 minutos antes do pouso em Guarulhos. Conforme a companhia aérea, o pousou ocorreu normalmente às 19h35.

Pelo menos 13 passageiros tiveram de passar por atendimento médico - quatro tiveram diversos traumas e passariam a noite no Hospital Geral de Guarulhos: Andrea Lucas de Almeida, Ana Paula Gomes, Marelena Pinheiro Fleury e Carmen Júlia Alves Srech. A gravidade das fraturas ainda era avaliada. Segundo a TAM, todos receberam auxílio.

De acordo com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), seis feridos continuavam em observação até as 22h30 de ontem, no posto médico do aeroporto. Outros passageiros foram levados em ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para a Policlínica Maria Dirce e para o Hospital Carlos Chagas. Havia informações, não confirmadas até o fim da noite, de que uma das vítimas também seria encaminhada para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Ainda de acordo com a Infraero, os passageiros ficaram assustados durante a turbulência, passaram mal e, com o balanço do avião, durante o incidente, bateram a cabeça e sofreram pequenos cortes e traumas. A Infraero não soube informar se entre os feridos havia crianças.

 

 

Valor Econômico
26/05/2009

Azul fecha parceria

A Azul, aérea que iniciou operações em dezembro, firmou parceria com o Rio Quente Resorts e fará voos fretados entre Campinas (SP) e Caldas Novas (GO) a partir do dia 28 de junho. O principal objetivo é atender a demanda de turistas durante as férias de julho. A Azul tem hoje 3,6% de participação no mercado doméstico, sendo a quarta maior do país.

 

 

Blog Noblat - O Globo
26/05/2009
Opinião do leitor

Cadê o governo quando o aposentado precisa dele?
Do leitor que se assina Egregio na seção Desabafe:

Quem pensa que está garantindo seu futuro investindo no Fundo de Pensão, está plenamente enganado. Você paga, mas o governo que deveria fiscalizar, não lhe garante nada.

Como por exemplo o que aconteceu com o Aerus.

O trabalhador contribuiu, ao se aposentar conseguiu um somatório de R$ 180.000,00, teria direito a reitirar R$ 50.000,00, porém descontaria para o Imposto de Renda 25%. O que aconteceu?

O Aerus simplestemente está em processo de falência sob intervenção federal e mesmo assim deixou de pagar aos aposentados e pensionista.

Na hora de descontar o dinheiro para o Imposto de Renda o governo sabe [o que fazer], mas na hora de garantir os direitos [dos aposentados], onde ele está?

Simplestemente quem pensou que ao envelhecer estaria garantindo uma vida com dignidade, hoje precisa se virar - e pior: tendo que arrumar um bico para sobreviver...

Página Principal