Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Domingo, 20 de Agosto de 2017

16/06/2009

Notícias Anteriores

Folha Online
16/06/2009 - 18h21

FAB e Marinha resgatam 50º corpo de vítima do voo 447 da Air France

A FAB (Força Aérea Brasileira) e a Marinha localizaram e resgataram nesta terça-feira mais um corpo de uma das vítimas do acidente com o avião da Air France, que caiu no Atlântico no último dia 31. Com isso, chega a 50 o total de corpos resgatados, informaram os Militares. O Airbus A330, que fazia o voo 447 do Rio a Paris, transportava 228 pessoas.

Hoje pela manhã, os seis últimos corpos resgatados do Atlântico chegaram a Fernando de Noronha (PE), onde passarão por perícia inicial antes de serem levados para identificação em Recife.

Esses últimos seis foram resgatados pela Marinha francesa e transferidos para uma embarcação da Marinha brasileira no último domingo (14).

Somente nesta terça-feira, as equipes de busca e resgate da Aeronáutica percorreram mais de 19 mil km quadrados. Nesta quarta-feira (17), um navio da Marinha brasileira irá se posicionar a cerca de 48 km ao norte de Fortaleza (CE) para receber dois helicópteros --um UH-14 Super Puma e um UH-12 Esquilo-- que também atuarão nas buscas.

Até ontem, a operação de busca e resgate percorreu um total de 1.000 horas voadas por aeronaves brasileiras e estrangeiras. O número é mais que o dobro realizado nas operações de resgate às vítimas das enchentes em Santa Catarina, em 2008.

Buscas

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou ontem que as buscas pelos corpos das vitimas e destroços do voo 447 não têm data definida para terminar.

Aeronáutica e Marinha chegaram a estipular 19 de junho como prazo final das operações, mas Jobim afirmou ao seu colega francês, Hervé Morin, que as buscas prosseguirão "até o momento em que tecnicamente se entender que elas são inúteis", segundo afirmou em entrevista na Embaixada do Brasil em Paris.

Por volta do dia 30 de junho, as caixas-pretas do Airbus deverão parar de emitir um sinal sonoro que ajuda na sua localização. Tanto o governo brasileiro quanto o francês, porém, consideram cada vez mais remotas as chances de localizar os destroços e mais corpos. As causas do acidente ainda são desconhecidas.

 

 

Folha de São Paulo
16/06/2009

Air France substitui sensores externos de Airbus
DA FOLHA ONLINE

A Air France substituiu por modelos de nova geração todos os sensores externos que medem a velocidade da aeronave, o pitot, em seus aviões Airbus-A330 e A340, afirmou à agência France Presse Erick Derivry, porta-voz do SNPL, sindicato majoritário da companhia.

A troca ocorre após a tragédia com o voo 447, que caiu no oceano Atlântico em 31 de maio com 228 pessoas a bordo.

O porta-voz disse ter sido informado no fim de semana pela Air France sobre a substituição de todas as peças nos aviões de longo percurso. Esses sensores foram citados como possível causa do acidente.

"A Air France acelerou a substituição dos sensores em relação ao calendário inicial", afirmou Derivry.

As conclusões do Escritório de Investigação e Análise da França (BEA), encarregado da investigação técnica do acidente do Airbus-A330 do voo Rio-Paris, indicam uma "incoerência das velocidades medidas" por esses sensores. Isso e as ameaças de boicote dos aviões por alguns sindicatos levaram a Air France a acelerar o programa nestas aeronaves.

A companhia já havia trocado "pelo menos duas sondas" das três normalmente instaladas nestes modelos, depois da ameaça dos pilotos semana passada de não voar até que a substituição fosse concluída.

A Air France havia se comprometido a substituir o terceiro sensor antes de 5 de julho.

O diretor-geral da Air France-KLM, Pierre-Henri Gourgeon, confirmou na última quinta-feira a aceleração do programa de substituição dos sensores, apesar de se declarar "não convencido" de que o instrumento tenha sido a causa da tragédia.

Em 27 de abril, depois de constatar incidentes nesses sensores, a companhia lançou programa de substituição em todos os A330 e A340.

O presidente da Air France-KLM informou que os primeiros carregamentos de novos sensores "pitot" chegaram em 29 de maio, três dias antes do acidente do AF 447.

 

O Estado de São Paulo
16/06/2009

Jato russo, rival da Embraer, faz seu primeiro voo
Superjet 100 é o primeiro avião civil da Rússia desde o fim da URSS
Reuters

A fabricante russa de aviões Sukhoi lançou o primeiro avião comercial do país desde a queda da União Soviética, em meio à retração da indústria aeronáutica mundial. A empresa ainda anunciou, na feira Paris Air Show, a venda de 30 aviões civis Superjet 100, no valor de US$ 1 bilhão, à húngara Malev. O Superjet 100 concorre diretamente com os aviões da família de E-Jets da Embraer, que tem jatos de 70 a 118 lugares.

O diretor-geral da Sukhoi, Mikhail Pogosyan, disse que espera receber mais 150 encomendas firmes até dezembro, um aumento considerável em comparação com os menos de cem estimados para até o fim do ano.

"Quando fizemos as previsões, tínhamos em mente a crise financeira. Agora, é muito importante elevarmos a cadência de produção para o começo do processo de recuperação do mercado", disse ele, acrescentando que espera que o avião venda bem durante os próximos 15 anos.

O jato decolou para seu primeiro voo em público imediatamente após a fala de Pogosyan. O Superjet 100 é o único novo avião comercial em exibição na Paris Air Show, maior feira de aviação do mundo.

O sucesso do lançamento contrasta com os longos adiamentos dos novos aviões comerciais das gigantes dessa indústria, Boeing e Airbus, especialmente no caso da Boeing, com o 787 Dreamliner.

Pogosyan foi gracioso com os concorrentes, apesar de ter-lhes roubado a cena, afirmando que, mais cedo, o chefe de aviões comerciais da Boeing, Scott Carson, havia feito uma visita ao Superjet 100.

"Trabalhamos muitos anos com a Boeing e estamos tristes que o 787 não esteja aqui, mas desejamos a eles sucesso. Não ficamos felizes quando outros estão infelizes", disse.

Também ontem, em coletiva de imprensa, o executivo da Boeing disse que espera a retomada no crescimento do mercado de aviação comercial em meados de 2010.

O Superjet, desenvolvido em conjunto com a italiana Finmeccanica, pode levar de 70 a 100 passageiros. Mas o diretor-geral da Sukhoi afirmou que pensa em desenvolver uma nova versão para concorrer com aviões maiores. "Estamos considerando uma versão maior", disse.

Outra empresa russa, a Irkut informou também ontem que planeja construir mil de seus próprios aviões comerciais. É esperado que o avião MC-21, com apenas um corredor, faça o primeiro voo em 2014. A empresa, que faz parte de uma organização russa maior, a United Aircraft Corporation (UAC), estima que as entregas comecem em 2016. O projeto da Irkut conta com investimento de US$ 3 bilhões do governo russo.

EMBRAER

A Embraer informou ontem, durante o Paris Air Show, que recebeu um contrato para sete jatos Embraer 190 da KLM City Hopper, o que confirma as opções no contrato original, anunciado em agosto de 2007. As entregas iniciais da nova encomenda deverão ocorrer durante o primeiro semestre do ano que vem, informou a fabricante brasileira.

A KLM City Hopper é uma subsidiária regional holandesa da Air France-KLM. A KLM ainda tem 11 opções para comprar jatos da Embraer, acrescentou a empresa brasileira.

 

 

O Estado de São Paulo
16/06/2009

Resgate chega a mil horas e acha novos destroços
Angela Lacerda e Pedro Dantas

A operação de buscas completa hoje mil horas de voo sem que nenhum novo corpo tenha sido avistado em quatro dias. Para se ter uma comparação, durante toda a enchente em Santa Catarina, em 2008, os voos da FAB somaram 460 horas. Apenas novos destroços - em quantidades e tamanhos não informados - foram visualizados a 950 km do Arquipélago de Fernando de Noronha, na região fronteiriça entre a área de jurisdição do espaço aéreo do Brasil e de Dacar (Senegal) e a cerca de 100 km da região central de buscas.

O comando militar reiterou, porém, que a operação continuará por tempo indeterminado, numa força-tarefa que envolve mil homens - 671 da Marinha - além de 13 aviões - 2 franceses. A Marinha brasileira conta com cinco navios nas operações de resgate e integrará mais dois às buscas nesta semana. A Fragata Bosísio, que transporta os últimos seis corpos resgatados pelo Navio Mistral da Marinha francesa, deve chegar hoje a Fernando de Noronha.

Os corpos serão levados ao arquipélago e depois seguirão para o IML do Recife, para exames de necropsia. Até o momento, segundo a Secretaria de Defesa Social, não foi feita nenhuma identificação dos cadáveres. Quando isso ocorrer, as famílias serão informadas.

A Air France desativou no domingo o centro de informações aos familiares no Hotel Windsor Guanabara, no centro do Rio. Os parentes serão informados das operações por telefone.

 

 

O Estado de São Paulo
16/06/2009

Cumbica é o mais ameaçado por balões
Artefato é capaz de causar danos graves aos motores dos aviões
Marcela Spinosa e Marici Capitelli

O Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, por onde circularam mais de 20 milhões de pessoas no ano passado, é líder no ranking de ocorrências com balões entre os seis principais aeroportos do País. Dados da Infraero, disponíveis no site do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), apontam que, entre 2005 e 2008, 323 balões foram vistos e recolhidos naquele aeroporto. Até maio deste ano, 15 caíram dentro de Cumbica, de um total de 39 avistados nas imediações. Em segundo vem o Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio, que registrou nos últimos quatro anos 131 ocorrências dessa natureza.

Os perigos de incêndio e colisão com aeronaves aumentam nesta época por causa das festas juninas. Embora seja crime, estão na ativa cerca de 5 mil equipes de baloeiros em São Paulo, além de pessoas que atuam sozinhas, segundo integrantes dos clubes.

Quando um balão é avistado, o Centro de Operações de Emergências (COE) da Infraero aciona a Torre de Controle - que avisa os pilotos -, a Seção Contra Incêndio, Bombeiros e equipes de segurança e de operações. O COE também avisa a Polícia Militar, responsável por prender os baloeiros. A Infraero não quis comentar o assunto, alegando que o problema envolve outros setores.

Ano passado, 70 balões foram avistados na área de Guarulhos. Desses, 29 caíram no interior do aeroporto. Nenhuma das ocorrências registradas nesse período causou danos ou interferências nas operações.

Para o diretor de Segurança de Voo do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Carlos Camacho, os balões representam um grande perigo. "Se eles fossem só feitos de papel, seriam absorvidos pela aeronave, mas o problema é que têm muitos penduricalhos e até botijões de gás de 13 quilos pendurados e armação toda de metal."

O diretor de segurança explica que, se um balão se chocar contra uma aeronave, a cabine de comando pode explodir e o motor, ser danificado. "O impacto é muito forte."

O piloto Ricardo D?Amori disse que já desviou de balões durante um voo. "Nunca tive grandes problemas. A gente desvia e informa a torre de controle para que os outros pilotos sejam avisados sobre a interferência."

A Sociedade Amigos do Balão acredita que se a prática fosse regulamentada, as ocorrências cairiam. Isso porque, segundo a entidade, antes da lei que tornou crime soltar balão, as pessoas iam em lojas especializadas e recebiam informações sobre como fazer um balão seguro.

 

 

Mercado e Eventos
16/06/2009

Tam apresenta bons resultados em avaliação da Anac

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) acaba de divulgar os dados operacionais referentes ao mês de maio de 2009. A empresa de aviação Tam fechou o último período com resultados positivos, mantendo a liderança nos mercados domésticos e intenacional.

Representando essa realidade em números, a empresa apresentou market share no mercado internacional de 86,8% e na linhas domésticas o índice obtido foi 44,9%.

Outro destaque foi o load factor internacional, que atingiu 65,5%, mantendo-se 3,2 p.p. acima da média do mercado, que foi de 62,4%.

 



Mercado e Eventos
16/06/2009

Flex disponibiliza boeings para fretamentos de agências

A Flex Linhas Aéreas está disponibilizando seus Boeings 737-300, com capacidade para 134 passageiros, às agências e operadoras de turismo para a realização de voos fretados.

O avião está disponível de domingo à sexta-feira, das 20h às 9h, e aos sábados em qualquer horário.

Informações: fretamento@voeflex.com.br ou (21) 2217-6629 / 6505


Página Principal