Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Domingo, 22 de Outubro de 2017

10/12/2009

Notícias Anteriores

O Estado de São Paulo
10/12/2009

Pequenas empresas crescem no mercado aéreo
Débora Thomé, RIO

Enquanto TAM e Gol/Varig brigavam por hegemonia nos voos domésticos, as empresas de menor porte - lideradas por Webjet, Azul e Oceanair - foram aumentando a sua fatia nesse mercado. Os dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), divulgados ontem, mostraram que, em 2009, essas empresas começam a consolidar seu espaço. Com a entrada da Azul, o trio tem, no acumulado de janeiro a novembro, 10,61% de participação, o dobro do que tinha em 2008. No outro lado da balança, a TAM, que em 2008 teve 50,53% do mercado de passageiros, caiu para 45,9%. No caso da Gol/Varig, a parcela foi de 42,3% para 41,31% no acumulado até novembro.

Os números relativos apenas ao mês de novembro mostram que a demanda por voos domésticos aumentou 38,3% na comparação com o mesmo mês de 2008. A aviação vive um momento de forte recuperação depois da crise. De janeiro a novembro, a procura por voos nacionais cresce 15,6%. A taxa de ocupação dos aviões nesses voos ficou em 70,77% no mês passado, bem maior que os 62,48% de novembro de 2008. Na média, a ocupação está em 66% no ano.

Mesmo crescendo, TAM e Gol/Varig perderam participação. A TAM, até novembro, transportou 5% a mais de passageiros e a Gol/Varig, 12%. As grandes mudanças estão no crescimento da Webjet, que dobrou o número de passageiros, e na chegada da Azul. A Oceanair manteve sua fatia de mercado, mas o diretor executivo da empresa, Renato Pascowitch, afirma que a companhia aérea não prevê movimentos mais agressivos para mudar isso. "Vamos seguir nosso processo de crescimento sustentado. Somos seguidores de preço, temos de ter preços competitivos, mas sem guerra tarifária."

A Webjet é a companhia que mais tem ocupado o espaço da TAM, operando em Guarulhos, com uma política de bilhetes baratos e parcelamento. A empresa planeja seguir por esse caminho, expandindo ainda mais a sua operação por meio da incorporação de clientes da classe C e, até mesmo, da classe D.

A estratégia da Azul é outra. "Nossa intenção não é brigar na presença nos quatro grandes aeroportos, mas oferecer serviços mais rápidos, em aeroportos de menor demanda. Vamos explorar novos destinos", comenta o presidente da empresa, Pedro Janot. Sem operar em Congonhas, a Azul deve criar sete novas rotas no próximo ano, três delas saindo do Rio. Sobre tarifas, Janot acredita que será mantida uma flexibilidade tarifária grande, com preços bem mais baixos para quem compra o bilhete com antecedência.

PANTANAL

O Tribunal de Justiça de São Paulo suspendeu ontem o leilão da companhia aérea Pantanal, que seria realizado hoje. Um dos problemas do leilão é que nele estavam incluídos 61 slots (horário de pouso ou decolagem) em Congonhas, que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) entende que deveriam ser devolvidos a ela para posterior redistribuição.

Somada essa decisão a uma outra, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que devolve à Anac os tais slots, a agência prevê agora redistribuir 412 espaços para pousos e decolagens no aeroporto paulistano. A maioria deles é para voos no fim de semana, em horários de pouco interesse. Apenas 61 são para voos semanais. Essas vagas serão distribuídas entre as companhias aéreas interessadas.

 

 

O Estado de São Paulo
10/12/2009

Pane faz piloto trocar de pista em Cumbica

Um Boeing 777-200 da Air France teve de usar a pista mais longa para pousar no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. O piloto do voo 454, que transportava 259 passageiros e 13 comissários de bordo, solicitou a mudança após constatar uma "pequena pane hidráulica", segundo a empresa. De acordo com a Infraero, foi solicitada a presença de equipes de emergência. O avião, que veio de Paris, chegou no horário previsto, às 8h06 de ontem.

 

 

Folha de São Paulo
10/12/2009

ANAC VAI DISTRIBUIR "SLOTS" DA PANTANAL

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) obteve na Justiça o direito de distribuir os "slots" (espaços para pousos e decolagens) da Pantanal em Congonhas. Com a decisão do Superior Tribunal de Justiça, o leilão dos bens da Pantanal, que incluía os slots e estava previsto para hoje, foi suspenso.

 

 

Folha de São Paulo
10/12/2009

Avião da Air France tem pane antes do pouso
DO "AGORA"

Um avião da Air France que trazia 259 passageiros de Paris teve uma pane hidráulica antes de pousar no aeroporto internacional de Cumbica, em Guarulhos (Grande SP). Segundo a Infraero, o pouso ocorreu sem problemas, às 7h53. Ninguém se feriu.

De acordo com a Infraero, o piloto da aeronave Boeing 777-200 solicitou a presença de bombeiros e de equipes de emergência para o pouso.

Segundo a Air France, o piloto pediu para utilizar a pista mais longa de Cumbica durante a fase de aproximação da aeronave. O procedimento é normal e seria uma precaução por causa da pane.

 

 

Mercado e Eventos
10/12/2009

Infraero realiza melhorias no Aeroporto de Guarulhos para alta temporada

A Infraero já concluiu 70% das ações de melhoria na área inspeção de embarque internacional nos dois terminais de passageiros do Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos. A instalação dos guichês deve ser concluída a tempo de atender a demanda de usuários do aeroporto durante a alta temporada, que compreende o período de 15 de dezembro de 2009 à 15 de janeiro de 2010.

As ações foram iniciadas há cerca de dez dias e foram remanejados lay-outs e equipamentos, bem como a readequação de divisórias e de espaços. A medida vai proporcionar aumento nas unidades de atendimentos da Polícia Federal no setor, que passará a ter mais seis balcões, totalizando 28, o que garantirá rapidez na inspeção de controle do órgão.

 

 

Valor Econômico
10/12/2009

Tráfego aéreo é o maior desde 2001
Alberto Komatsu, de São Paulo

O transporte aéreo de passageiros no país registrou expansão de 38,37% em novembro em relação a igual período de 2008. Além de ser a melhor performance para o mês de novembro desde 2001, também é o quinto mês consecutivo de uma expansão da demanda doméstica acima de 20%. Com isso, as companhias aéreas preocupam-se com a possibilidade de transtornos nos aeroportos no fim do ano. Ainda mais porque trabalhadores do setor aprovaram ontem o estado de greve e a paralisação nos dias 23 e 24 de dezembro.

"Estamos preocupados. Embora a Anac [Agência Nacional de Aviação Civil] venha tomando medidas para reduzir o número de voos nos aeroportos, a infraestrutura deles não acompanhou o crescimento da demanda", afirma Ronaldo Jenkins, diretor do Snea, o sindicato das empresas aéreas. Segundo ele, a reivindicação de 10% de reajuste salarial não condiz com os resultados financeiros das empresas.

Já o presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac), Celso Klafke, diz que a oferta de 4,5% de aumento salarial do Snea é "cínica". O consultor aeronáutico Paulo Bittencourt Sampaio não acredita em confusão. "Essa é uma chantagem anual. Todo ano é a mesma coisa", diz Sampaio.

O consultor estima que o fluxo de passageiros transportados no país vai encerrar o ano com alta de 17%. Ele chama a atenção para o fato de o crescimento da demanda da TAM em novembro, de 15,6%, estar muito abaixo da média do setor, de 38,4%. Já a expansão da Gol no mesmo período foi de 46%. "A TAM continua não agradando o passageiro. A Gol acertou o passo e está mais próxima do consumidor", afirma Sampaio.

A Anac também divulgou ontem que a oferta de assentos nos aviões cresceu 22,15% em novembro, com alta acumulada de 14,5% no ano. O transporte de passageiros ao exterior subiu 12,05%, mas acumula queda de 1,82% no ano. A oferta de assentos no mercado internacional avançou 2,09%, no mês passado, e acumula expansão de 0,56% de janeiro a novembro.

"O crescimento se deu porque os preços estão mais segmentados, o que rendeu um melhor aproveitamento dos aviões nos períodos de baixa ocupação", afirma o especialista em aviação da consultoria Bain & Company, André Castellini.

A TAM seguiu na liderança do mercado doméstico, com 43,94% de participação, seguida pela Gol, controladora da Varig, com 42,25%. Juntas, as duas maiores empresas aéreas do país responderam por 86,18% dos voos nacionais em novembro. A Webjet foi a terceira, com uma fatia de 4,56%. Logo atrás veio a Azul, com 4,31%. A OceanAir manteve-se na quinta colocação, com 2,35%. No exterior, a TAM respondeu por 85,41% dos voos, seguida pelos 14,59% da Gol.




Página Principal