Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Quarta-Feira, 13 de Dezembro de 2017

08/06/2009

Notícias Anteriores

O Dia
08/06/2009

'Peça achada pode ser chave em investigação', diz brigadeiro

Rio - Uma das peças encontradas nesta segunda-feira, pelas equipes de busca da Marinha e Aeronáutica, é o estabilizador vertical do Airbus, da AF. Segundo ex-presidente da Infraero, José Carlos Pereira, ela pode ser decisiva nas investigações sobre as causas do acidente. O brigadeiro afirmou, ao analisar as fotografias dos destroços encontrados esta manhã, que as peças têm informações valiosas.


Na foto, uma das peças encontradas nesta segunda-feira pelas equipes de busca

"O leme do avião é preso àquela peça. Como há a suspeita de que uma das consequências do problema foi a quebra do leme, a descoberta do estabilizador vertical inteiro pode ajudar muito os investigadores. Pode mostrar como rompeu, como o leme se soltou, qual foi a força que atuou e foi capaz de quebrar alguma coisa", disse Pereira.

O acidente

O Airbus A330 saiu do Rio de Janeiro no domingo (31), às 19h (horário de Brasília), e deveria chegar ao aeroporto Roissy - Charles de Gaulle de Paris no dia 1º às 11h10 locais (6h10 de Brasília).

De acordo com nota divulgada pela FAB, às 22h33 (horário de Brasília) o vôo fez o último contato via rádio com o Centro de Controle de Área Atlântico (Cindacta III). O comandante informou que, às 23h20, ingressaria no espaço aéreo de Dakar, no Senegal.

Às 22h48 (horário de Brasília) a aeronave saiu da cobertura radar do Cindacta, segundo a FAB. Antes disso, no entanto, a aeronave voava normalmente a 35 mil pés (11 km) de altitude.

A Air France informou que o Airbus entrou em uma zona de tempestade às 2h GMT (23h de Brasília) e enviou uma mensagem automática de falha no circuito elétrico às 2h14 GMT (23h14 de Brasília). A equipe de resgate da FAB foi acionada às 2h30 (horário de Brasília).

 

 

O Dia
08/06/2009

Marinha e aeronáutica já resgataram 24 corpos do mar

Recife - Equipes de buscas já resgataram, até o início da noite desta segunda-feira, 24 corpos vitimados pela tragédia do voo AF 447, da Air France. Até esta tarde 16 corpos haviam sido resgatados. Marinha e Aeronáutica continuam as buscas por mais destroços e corpos no oceano Atlântico.

Os novos corpos estavam a 440 km ao nordeste do arquipélogo de São Pedro e São Paulo, em Fernando de Noronha. Nesta terça-feira a fragata Constituição chegará com os 16 corpos resgatados anteriormente. "Podemos considerar que eles estavam na área de buscas onde os navios estavam procurando", disse o chefe de comunicação.

Aeronáutica e a Marinha decidiram que não mais revelar à imprensa o sexo dos corpos das vítimas do voo 447 da Air France que forem resgatados no mar. Além disso, só será revelado o número de corpos que estiverem a bordo de navios militares brasileiros. O objetivo é evitar a divulgação de informações desencontradas."Caberá ao Instituto Médico Legal (IML) de Recife fazer isso", disse o assessor de Comunicação da Aeronáutica, tenente Henry Munhoz.

Ainda não há prazo para o fim das ações de resgate de corpos e de destroços que ajudem a esclarecer o que aconteceu com o Airbus A-330 da Air France, que decolou do Rio de Janeiro na noite de 31 de maio e desapareceu quando sobrevoava o Oceano Atlântico. Estavam a bordo 228 pessoas, entre passageiros e tripulantes. Catorze aeronaves (12 brasileiras e duas francesas) e seis navios vasculham a área ininterruptamente.

Uma das primeiras embarcações brasileiras a chegar à área onde estão concentradas as buscas, a cerca de 1.100 quilômetros de Recife (ou 850 quilômetros de Fernando de Noronha), o navio patrulha Grajaú teve que ser substituído por outro semelhante, o Guaíba. "Ele precisou regressar à sede, Natal capital do Rio Grande do Norte , porque necessitava reabastecer-se de alimentos e combustível", disse Giucemar.

Além disso, nos próximos dias, um submarino francês deve se somar à frota presente no local. E, de acordo com Giucemar, a própria Marinha brasileira não descarta a hipótese de reforçar seu efetivo na área. "Em decorrência da ampliação da área de buscas, a Marinha brasileira está preparada para, se necessário, mobilizar outros meios", afirmou o capitão.

A Marinha do Brasil atua com 570 militares embarcados. O Navio-Patrulha Guaíba substituiu o Navio-Patrulha Grajaú, que está retornando a Natal (RN) para ressuprimento. Dessa forma, permanecem na área de operações cinco navios da Marinha do Brasil e uma Fragata da Marinha da França

 

 

Estadao
08/06/2009 - 19h56

Airbus da Presidência passa por manutenção no sistema de controle de velocidade
MÁRCIO FALCÃO

O avião utilizado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em suas viagens internacionais, modelo Airbus 319 --conhecido como Aerolula--, está em manutenção no centro tecnológico da companhia TAM, em São Carlos (SP). Segundo a FAB (Força Aérea Brasileira), a aeronave deve passar por uma adaptação no sistema de controle de velocidade em condições de gelo para a melhoria de eficiência do equipamento.

O Airbus é do mesmo fabricante do A330 que fazia o voo 447, da Air France, que caiu no Atlântico no dia 31 de maio, quando fazia a rota RioParis, levando 228 pessoas a bordo. O procedimento segue orientação do fabricante e estava programado desde abril.

Uma das linhas de investigação para as causas do acidente com o voo 447 aponta é que poderia ter ocorrido um problema com sensor de velocidade da aeronave. Após o acidente, a Air France informou que havia recomendado no ano passado a troca destes sensores.

Segundo a companhia, no ano passado foram registrados outros problemas na Air France e em outras companhias relacionados com os sensores que enviaram informações contraditórias sobre a velocidade.

A incoerência desses dados pode fazer com que sistemas eletrônicos dos aviões deixem de funcionar, como o piloto automático.

A FAB não soube informar até quando o avião ficará em manutenção. Segundo a Aeronáutica, não "há relação com o acidente ocorrido recentemente com o Airbus A-330 da Air France".

Em março, o Airbus presidencial não chegou a levantar voo em Nova York para trazer o presidente Lula de volta ao país. Com um defeito na porta, o Aerolula não conseguiu decolar dos EUA. Segundo o Palácio Planalto, o avião não teve condições de voo depois que a escada que serve para o embarque de passageiros bateu e empenou a porta da aeronave.

 

 

O Globo Online
08/07/09

Voo 447
Pilotos da Air France ameaçam parar de voar até que sensores de velocidade sejam trocados
Publicada em 08/06/2009 às 12h15m
O Globo

RIO - Pilotos da Air France ameaçam parar de voar até que os sensores de velocidade da frota de Airbus A-330 da companhia aérea sejam trocados. Segundo o sindicato da categoria, a paralisação seria uma "medida de segurança", já que uma falha nesse dispositivo pode ter sido uma das causas do acidente com voo 447, que caiu nas proximidades de Fernando de Noronha, quando seguia do Rio para Paris, na noite do dia 31 de maio.

No domingo, o ministro dos Transportes da França, Dominique Bussereau, disse em entrevista coletiva que nenhuma hipótese sobre o acidente poderia ser privilegiada, mas admitiu que os sensores poderiam congelar no momento em que avião atravessasse uma zona muito úmida ou de muita turbulência, deixando de informar corretamente a velocidade, o que poderia ter causado a tragédia.

O congelamento dos sensores poderia levar a duas consequências: A primeira, uma queda brusca de velocidade, o que poderia desestabilizar o avião; A segunda, um aumento brutal da velocidade - proximas da velocidade do som -, o que poderia causar uma fissura na estrutura da aeronave.

O Escritório de Investigação e Análise para Segurança da Aviação da França é mais prudente nas declarações e diz que não há relatos de nenhum incidente anterior ligado a esse problema.

"Nenhum acidente desse tipo causou perda de um avião".

 

 

Valor Econômico
08/06/09

Airbus longe da meta

A fabricante europeia de aviões Airbus mantém seu plano de vender cerca de 300 aviões em 2009, embora a própria chefia de vendas da companhia já admita que está mais difícil alcançar esse objetivo. "Trezentos (aviões) ainda é a nossa meta, mas é mais que um esforço agora", disse o diretor comercial da Airbus, John Leahy, durante o encontro anual da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês). A Airbus e sua concorrente norte-americana Boeing foram afetadas pela queda nas viagens durante a recessão e o cancelamento de pedidos pelas companhias aéreas. Na semana passada, a diretoria da Iata informou que os pedidos por novas aeronaves podem cair 30% em 2010. As informações são da agência Reuters.

 

 

Valor Econômico
08/06/09

Cai ocupação na Gol

A Gol Linhas Aéreas informou que a taxa de ocupação nos seus voos durante o mês de maio caiu em relação ao mesmo período de 2008, de 65% para 58%. Também ficaram pouco abaixo da taxa registrada em abril, de 58,7%. A empresa reduziu a oferta total em 8,9%, de um ano para outro, enquanto a demanda caiu 19,3%. O "yield" da Gol (quanto cada passageiro pagou para voar um quilômetro) de maio ficou pouco acima dos R$ 0,19 registrados no segundo trimestre de 2008, mas abaixo dos R$ 0,23 obtidos no acumulado do ano passado.

Página Principal