Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Quinta-Feira, 21 de Setembro de 2017

08/05/2009

Notícias Anteriores

O Estado de São Paulo
08/05/2009

TAM promove reestruturação e manda embora 21 executivos
Parte dos demitidos foi levada para empresa por Barioni
Alberto Komatsu e Mariana Barbosa

A TAM passa por uma reorganização administrativa e demitiu, nas últimas semanas, 21 executivos, sendo 2 vice-presidentes, 2 diretores e 17 gerentes.

Sob a justificativa de cortar custos por causa da crise, a TAM extinguiu as duas vice-presidências: a de Gestão de Pessoas, que era ocupada por Guilherme Cavalieri, e a Técnica, que era ocupada pelo comandante Jorge Gabriel Isaac. Os dois executivos foram levados para a TAM por Barioni e, segundo fontes ligadas à companhia, a decisão de demiti-los reflete a insatisfação da família Amaro, principal acionista, com o próprio Barioni.

Com as mudanças, a diretoria de Gestão de Pessoas agora se reporta diretamente à presidência. A diretoria técnica (responsável pela manutenção das aeronaves) ficou subordinada à vice-presidência de Operações, cujo responsável é Fernando Sporleder, também levado para a TAM por Barioni.

Uma das insatisfações da família Amaro com Barioni está ligada às perdas provocadas por operações financeiras de proteção contra a variação do preço do combustível - ainda que elas estivessem dentro da política de risco aprovada pelo Conselho.

A insatisfação com Barioni não está restrita aos acionistas e chegou à área de operações. Barioni ganhou alguns desafetos ao promover mudanças operacionais para otimizar o uso de aeronaves e melhorar o desempenho dos pilotos.

Um comandante que estava causando danos à imagem de Barioni com textos apócrifos publicados em um fórum de pilotos na internet foi identificado e demitido na terça-feira por justa causa. O piloto foi demitido ao se apresentar para um voo e, segundo fontes, chegou a ser encaminhado para uma delegacia, onde prestou depoimentos e depois foi liberado.

Barioni entrou na TAM em agosto de 2007, quando assumiu a vice-presidência de operações, vindo da rival Gol. Três meses depois, foi para a presidência da TAM, em substituição a Marco Antonio Bologna.

A situação de Barioni ficou mais delicada a partir de março, com a volta de Bologna ao grupo TAM, para a presidência da empresa de aviação executiva. Mesmo longe da presidência da TAM, Bologna nunca deixou de ser uma espécie de conselheiro da família e não tem um bom relacionamento com Barioni.

 

 

O Estado de São Paulo
08/05/2009

Lucro cresce 26% no trimestre, para R$ 54,4 milhões
REUTERS

O lucro da TAM cresceu 26,2% no primeiro trimestre, chegando a R$ 54,4 milhões pelas regras brasileiras de contabilidade. O resultado reflete a queda nos custos de combustível e o faturamento maior. A receita operacional líquida totalizou, de janeiro a março, R$ 2,64 bilhões, um aumento de 16,8% sobre o mesmo período do ano anterior. Apesar do crescimento da receita, o total de passageiros pagantes transportados nos voos domésticos e internacionais recuou 3% no trimestre, para 7,325 milhões. A taxa de ocupação caiu 6,1 pontos porcentuais, para 67,1%, enquanto a tarifa média geral subiu 19,4%.

 

 

Folha de São Paulo
08/05/2009

TAM tem lucro de R$ 54,4 mi e ações sobem mais de 10%
JANAINA LAGE
DA SUCURSAL DO RIO

A TAM anunciou ontem lucro líquido de R$ 54,4 milhões no primeiro trimestre. O resultado representa um crescimento de 26,16% em relação a igual período do ano passado, em valores expressos de acordo com a nova lei contábil. O desempenho animou investidores, e as ações da empresa fecharam o dia em alta de 12,60%.

Após um quarto trimestre de resultados negativos, com prejuízo de R$ 1,123 bilhão, a empresa focou no corte de custos. O "cask" (custo por assento-quilômetro) recuou 3,1% no primeiro trimestre.

Segundo Líbano Barroso, vice-presidente financeiro da TAM, os resultados do primeiro trimestre podem ser atribuídos a uma combinação de eficiência, produtividade e redução de custos.

A empresa promoveu um enxugamento do quadro de executivos, que resultou na eliminação da vice-presidência de gestão de pessoas e conhecimento, na fusão das vice-presidências técnica e de operações e no corte de duas diretorias e 17 gerências.

Segundo o presidente da TAM, David Barioni, a reestruturação já fazia parte dos planos da empresa e não tem relação com a crise.

Barroso disse que em abril a taxa de ocupação dos aviões em voos domésticos ficou entre 64% e 65% e nos voos internacionais, entre 72% e 73%. Os gastos com querosene de aviação caíram de R$ 844,8 milhões no primeiro trimestre de 2008 para R$ 695,1 milhões neste ano.

O total de passageiros transportados recuou 3%. A empresa afirma que, apesar da redução, os resultados foram influenciados positivamente pelo aumento das receitas de voos e também de outras fontes, como o programa TAM Fidelidade.

 

 

Valor Econômico
08/05/2009

Aviação: Tarifas internacionais começam a baixar
Roberta Campassi

Três grandes companhias aéreas europeias, a British Airways, Iberia e Air France-KLM, são as primeiras a anunciar tarifas menores devido à liberdade tarifária para voos internacionais de longo curso, medida aprovada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em 23 de abril.

As três empresas estão anunciando descontos de 20% para vários destinos europeus. Segundo o levantamento do Valor, outras empresas como Alitalia, TAP e Lufthansa ainda não estão praticando os descontos.

O movimento de redução começou pela Iberia, no início da semana e acontece em meio à desaceleração da demanda decorrente da crise econômica. British e Air France, nessa ordem, acompanharam a empresa espanhola. As três estão seguindo a decisão da Anac, que por ora permite a aplicação de descontos de até 20% sobre os preços mínimos antes obrigatórios. A partir de julho, os descontos poderão ser de até 50%; em outubro, poderão chegar a 80% e em 2010 os preços serão liberados.

British, Air France e Iberia estão divulgando passagens a partir de US$ 695, com saída do Brasil para destinos como Londres, Paris, Roma, Londres, Amsterdã, Bruxelas, Zurique e Frankfurt. Antes da liberação, os preços mínimos obrigatórios para esses destinos eram US$ 869 ou US$ 863. Para cidades como Viena e Praga, também houve redução de 20% e agora as passagens custam a partir de US$ 726, contra o piso de US$ 908 fixado anteriormente. Há ainda outros destinos em promoção.

A TAM, que concorre diretamente com essas empresas em suas operações para Europa, disse que não espera reduções de preço significativas, por enquanto, no mercado de voos de longo curso. "Não há muito espaço para baixar tarifas", disse o presidente da companhia, David Barioni. A TAM tem voos para Espanha, Itália, Alemanha, Inglaterra e França.

Segundo Barioni, é preciso saber o número de assentos com tarifas mais baixas que as empresas aéreas disponibilizam em cada voo para medir a agressividade da promoção. "Se forem muito poucos (assentos), a promoção é uma jogada de marketing", disse.

British, Iberia e Air France não informaram quantos assentos em cada voo estão sendo oferecidos pelos preços mais baixos, nem por quanto tempo serão válidos. José Coimbra, diretor da British no Brasil, diz que a quantidade é "significativa". "É possível encontrar essa tarifa promocional em mais de 50% dos voos Londres-São Paulo e outros destinos da Europa", informou, via assessoria de imprensa.

A TAM também tem voos para América do Sul e quatro cidades nos Estados Unidos. Mas, entre as aéreas americanas, as reduções por conta da liberação tarifária ainda não são visíveis. Segundo Barioni, nos voos para Miami, por exemplo, os preços estão cerca de 20% acima da banda mínima. "Se estivessem pressionadas, as empresas já teriam baixado preços."

Outras empresas estrangeiras estão fazendo promoções, mas não as atribuem à liberdade tarifária. A American Airlines anuncia, em seu site, voos saindo de Belo Horizonte ou do Nordeste para os EUA por US$ 657, ou 7% menos do que o limite de US$ 709 vigente antes da liberação. A empresa informa, contudo, que esse desconto já era permitido pela Anac na baixa temporada. Copa e Avianca estão fazendo promoção no estilo "leve dois, pague um" para cidades na América do Sul e América Central.

 

 

Monitor Mercantil Digital
07/05/2009 - 21:05h
Rápidas
Sergio Barreto Motta

Um grupo de ex-funcionários da Varig fez protesto, nesta quinta-feira, dia em que a empresa completaria 82 anos, nas escadarias da Câmara Municipal do Rio. Como prova de ineficácia da Secretaria de Previdência Complementar, o fundo de previdência privada Instituto Aerus de Seguridade Social está deixando milhares de participantes na dependência pura e simples do INSS. Há casos de redução de quase 90% nos valores pagos, o que é um absurdo.

Página Principal