Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Terça-Feira, 27 de Junho de 2017

03/03/2010

Notícias Anteriores

Portal IMPRENSA - UOL
03/03/2010 08:12h

Justiça condena Folha de S.Paulo a pagar indenização a juiz por danos morais

A 36ª Vara Cível do Rio de Janeiro condenou a empresa Folha da Manhã S/A e a jornalista Eliane Cantanhêde a pagar R$ 35 mil ao juiz Luiz Roberto Ayub a título de indenização por danos morais. A ação foi iniciada após artigo "O lado podre da hipocrisia", publicado na Folha de S.Paulo em 10 de junho de 2008.

No texto, a articulista criticou a atuação do governo no caso da recuperação judicial da Varig, iniciada em 2005. Cantanhêde cita e-mail do ex-presidente da Anac, Milton Zuanazzi, destinado à ministra Dilma Roussef, em que ele aborda a aproximação entre governo e o Ayub, juiz responsável pelo caso.

"Já que a lei (que limita em 20% o capital estrangeiro no setor) não vale nada e o juiz é 'de quinta', dá-se um jeito na lei e no juiz. Assim, o juiz Luiz Roberto Ayub aproximou-se do governo e parou de contrariar o presidente, o compadre do presidente e a ministra. Abandonou o 'falso moralismo' e passou a contrariar a lei", escreveu a articulista. O termo "de quinta", segundo Cantanhêde, fora citado em reuniões internas por Dilma Roussef.

Segundo Ricardo Pereira Lira, que defende o juiz, a decisão corrobora com a posição de que houve excesso da jornalista em colocar parcialidade a Ayub no caso.

A decisão é de primeira instância e foi aplicada pelo juiz estadual André Pinto. A Folha, por meio de sua advogada -Taís Gasparian - informou que irá recorrer.

 

 

Folha de São Paulo
03/03/2010

Movimento nos aeroportos atinge recorde
Aumento no número de chegadas nacionais e internacionais faz ministério defender "medidas emergenciais"
DENISE MENCHEN
DA SUCURSAL DO RIO

O desembarque doméstico e internacional nos aeroportos do país atingiu, em janeiro, nível recorde, de 5,6 milhões de chegadas de voos nacionais (alta de 22% ante janeiro de 2009) e 735 mil de voos do exterior (avanço de 12%), levando o Ministério do Turismo a defender a adoção de "medidas emergenciais" para garantir a expansão da capacidade da rede.

"[A questão dos aeroportos] é o maior desafio, já que há um crescimento chinês na aviação brasileira", afirmou o ministro Luiz Barreto, no Rio, ao lançar a 6ª Pesquisa Anual de Conjuntura Econômica do Turismo, realizada com a FGV (Fundação Getulio Vargas).

"A Infraero tem feito um esforço grande para enfrentar esse desafio, mas acho que temos que ter medidas emergenciais ao longo dos próximos anos, não só para 2014", disse.

Como exemplo, citou a instalação de um terminal pré-moldado no aeroporto de Florianópolis, há cerca de três anos, devido ao embargo das obras do terminal definitivo. "Até que as grandes obras deem conta do recado, é preciso botar a criatividade para trabalhar."

O ministro também afirmou que é preciso analisar "sem preconceito" todas as possíveis alternativas para a gestão dos aeroportos brasileiros.

"Sou a favor que a gente estude todos os mecanismos, inclusive o de concessão", disse. Ele ressaltou, porém, que uma eventual opção por esse sistema deveria contemplar também os aeroportos que hoje não são lucrativos. "Não dá para só fazer concessão do filé mignon, tem que pensar no boi inteiro."

Empresários do turismo estão otimistas com as perspectivas para 2010 e preveem expansão de 14,6% no faturamento e de 4,9% nos postos de trabalho do setor na comparação com 2009. Segundo Barreto, as expectativas são sustentadas pela boa imagem do país no exterior, pelo aquecimento do mercado interno e pela expansão da oferta de crédito.

O setor de transporte aéreo é o que alimenta a maior perspectiva de expansão do faturamento, de 21,2% sobre 2009. No total, a pesquisa ouviu 80 empresas do setor de turismo, que respondem por faturamento de R$ 35 bilhões anuais.

Barreto destacou que em todos os segmentos pesquisados a proporção de empresários que pretende realizar investimentos em 2010 é maior do que a dos que não pretendem. No caso das locadoras de automóveis, a fatia do faturamento que deverá ser canalizada para investimentos chega a 24,1%, a maior constatada na pesquisa.

Em nota, a Infraero afirmou que seu cronograma de investimentos já está em execução e que os aeroportos envolvidos com a Copa de 2014 estarão preparados para o evento.

Página Principal