Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Domingo, 20 de Agosto de 2017

02/03/2010

Notícias Anteriores

Site Bahia Noticias
02/03/2010

CRÉDITO PODE REABRIR O HOTEL DA BAHIA

Representantes do Instituto Aerus de Seguridade Social, empresa dona do edifício em que funcionava o Hotel da Bahia, se reunirão nesta quarta-feira (3) com autoridades do governo para tentar viabilizar um empréstimo, através da Agência de Fomento do Estado da Bahia (Desenbahia), para financiar uma reforma geral da estrutura do empreendimento.

Os antigos gestores, da marca Tropical Hotels & Resorts, estimam que o custo para fazer o estabelecimento rentável é de R$ 3,5 milhões. O administrador do Aerus, Aubérgio Barros, garante que outra empresa irá assumir a gestão do espaço, após a modernização. Barros nega que haja interesse de empresários para utilizar a área com investimentos imobiliários. A Tropical já iniciou a desmontagem do hotel, que deve estar completamente vazio na primeira quinzena de abril. De acordo com a diretoria, os funcionários que não forem realocados para outros hotéis do grupo terão seus direitos trabalhistas respeitados. Informações do A Tarde.

 

 

Mercado e Eventos
02/03/2010 - 15:02h

Anac oferece bolsas de estudo para jovens pilotos de avião

Para um aluno se tornar Piloto Privado – primeira etapa antes de iniciar na carreira – é preciso desembolsar por volta de R$ 14 mil e, para a formação de um Piloto Comercial – que já pode exercer a profissão – esse custo pode chegar até mais de R$ 70 mil. Para viabilizar a formação de novos pilotos, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aceita até o dia 25 de março inscrições para o processo seletivo de 213 bolsas de estudos para pilotos de avião.

Os candidatos devem ter entre 18 e 35 anos, apresentar certificado de aprovação no curso teórico, documento de aprovação no exame da Anac e comprovar já terem realizado pelo menos 25% da carga horária de voos necessária para a categoria: 9 horas para Piloto Privado e 29 horas para Piloto Comercial. As aulas acontecerão em 19 aeroclubes de oito Estados (São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Ceará, Maranhão e Tocantins).

O projeto Jovens Pilotos para a Aviação Civil oferece 139 bolsas para os cursos práticos de Piloto Privado e 74 para Piloto Comercial. O processo seletivo terá início com uma prova objetiva, no dia 18 de abril, às 9h, realizada na cidade escolhida pelo candidato no momento da inscrição. O candidato com aproveitamento igual ou superior a 70% na prova objetiva e for classificado dentro do número de vagas deverá realizar o Exame de Proficiência Técnica, a partir do resultado da prova até o dia 30 de maio, no aeroclube escolhido. Após essa etapa, os aprovados já podem agendar as aulas práticas nos aeroclubes credenciados no projeto.

Informações: www.anac.gov.br/transparencia/chamadasemAndamento.asp.

 

 

O Estado de São Paulo
02/03/2010

Ex-presidente da TAM assume grupo Facility
David Barioni também será sócio da companhia, que é investigada no Rio
Melina Costa, Alfredo Junqueira

O executivo David Barioni Neto assumiu, ontem, a presidência do Facility, grupo especializado na gestão de serviços corporativos. Barioni foi presidente da companhia aérea TAM até outubro do ano passado e, antes disso, havia ocupado a vice-presidência técnica da Gol.

O grupo, com mais de 25 mil funcionários e fundado há 20 anos, é formado por oito empresas que, entre outros, prestam serviços de tecnologia como atendimento por help desk, seleção e administração de mão de obra, manutenção predial, segurança patrimonial, entregas expressas e coleta de lixo.

Além de se tornar o principal executivo do grupo, Barioni também deve receber uma participação no capital do Facility.

"Fui motivado pelo potencial de crescimento da empresa. Ao contrário do setor aéreo, aqui não há limites por parte do poder concedente. Nossa expansão só depende da nossa competência", diz Barioni.

Hoje, o principal cliente do grupo é o Estado do Rio de Janeiro. O Facility tem mais de R$ 1,2 bilhão em contratos assinados nos últimos seis anos com o governo estadual. O dono do grupo, o empresário Arthur Cesar de Menezes Soares Filho, é amigo pessoal do governador Sérgio Cabral.

Em janeiro, o Estado revelou que a empresa Service Clean, que integra o grupo Facility, contratou o escritório de advocacia da primeira-dama do Rio, Adriana Ancelmo Cabral, para representá-la em litígios na Justiça trabalhista. Em alguns casos, o valor das causas não ultrapassou R$ 2 mil. Somente na gestão Cabral, a Service Clean fechou contratos com o governo no valor de R$ 57,8 milhões.

Na época, o Facility informou que seu contrato com o escritório Coelho, Ancelmo & Dourado Advogados existia muito antes de Sérgio Cabral ser eleito governador e que "qualquer ilação seria, no mínimo, desrespeitosa".

Apenas desde junho do ano passado, foram instaurados cinco procedimentos no Ministério Público do Estado do Rio que apuram indícios de improbidade administrativa por supostos favorecimentos em licitações por parte da Facility.

"Eventuais denúncias são boas como oportunidade para mostrar que a empresa segue os processos licitatórios", diz Barioni. "O Ministério Público tem que investigar mesmo."

Além do governo fluminense, também são clientes do Facility empresas como Mc Donald"s, Petrobrás, Itaú, Perdigão e a farmacêutica Roche. Um dos objetivos de Barioni é exatamente aumentar a participação do grupo no setor privado. Outro é expandir os negócios do Facility para o mercado de São Paulo. Hoje, a maior parte da receita da empresa está concentrada no Estado do Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e no Nordeste.

 

 

Folha de São Paulo
02/03/2010

Empresas aéreas ignoram norma de acessibilidade
Aparelho elevatório para deficientes físicos está disponível em apenas 10 dos 67 aeroportos administrados pela Infraero
Segundo regra da Anac, companhias aéreas têm de disponibilizar elevador para cadeirantes quando o embarque é feito na pista

EDUARDO GERAQUE
DA REPORTAGEM LOCAL

A tensão de uma viagem aérea para pessoas com deficiência física no Brasil, muitas vezes, pode atingir o seu pico antes mesmo da entrada no avião.

Ao contrário do que exige uma norma editada pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) há três anos, 57 aeroportos administrados pela Infraero, de um total de 67, não têm plataformas elevatórias.

O equipamento é considerado o mais seguro para colocar as pessoas que usam cadeira de rodas ou estão em uma maca dentro de um avião. Eles são fundamentais quando a subida na aeronave precisa ser feita a partir do próprio pátio.

Vários aeroportos não têm pontes de embarque. Mesmo naqueles que possuem essas estruturas, os aviões podem parar na "posição remota" -longe do edifício de embarque.

Apenas dez aeroportos têm o chamado "ambulift", nome mais usado para o elevador. Os equipamentos estão em Brasília, Fortaleza, Goiânia, Porto Velho, Recife, Rio Branco, Rio de Janeiro, Grande São Paulo (Congonhas e Guarulhos) e Uberlândia.

A norma, que passou a valer em 2008, diz que toda companhia aérea deve oferecer "veículos equipados com elevadores ou outros dispositivos apropriados" quando o avião não estiver acoplado ao prédio do próprio aeroporto.

Nos pátios aeroportuários nacionais, entretanto, cenas que refletem a improvisação costumam ocorrer, indicando que não existe nem ambulift nem uma alternativa segura.

"Aqui em João Pessoa, para embarcar ou desembarcar, são necessários dois funcionários da companhia para levantar a cadeira [de rodas] e subir aquelas escadas. É muito desagradável", afirma Franswillame Oliveira da Silva, que há dois anos sofreu um acidente de moto e ficou paraplégico. Na capital da Paraíba, não existem pontes de embarque. Os aviões estacionam no próprio pátio.

A TAM diz que a quantidade de ambulifts é suficiente para atender à demanda. A empresa tem cinco aparelhos próprios. Nos demais casos, ela usa os da Infraero, que cobra, em média, R$ 100 por uso, diz a TAM.

A Gol, que não tem ambulift próprio, disse que tem pessoal treinado para superar qualquer tipo de obstáculo que possa existir no embarque ou no desembarque dos passageiros com necessidades especiais.

A norma da Anac também lista exigências para o passageiro. O consumidor especial, para ter um atendimento digno, precisa informar suas necessidades com 72 horas de antecedência ao embarque.

A agência reguladora registrou só 221 reclamações em 2009 relacionadas à acessibilidade em aeroportos. Menos de 1% do total. Por isso, a Anac recomenda que, após qualquer problema, os usuários devem formalizar suas reclamações nos balcões do órgão.

 

 

Site Brasilturis
02/03/2010

EMIRATES anuncia operações do A380 na China

A Emirates informou o início dos vôos com o A380 a partir do dia 1 de agosto de 2010 na rota Dubai-Pequim. Será a primeira operação com o maior avião comercial do mundo na China. O avião tem capacidade para transportar até 517 passageiros, e vai substituir o Boeing 777 que atualmente serve a rota para a capital chinesa.

"A Emirates foi a primeira companhia aérea do Oriente Médio a estabelecer vôos diretos para a China, há sete anos. O início da operação do A380 em Pequim prova nosso comprometimento com o país, no sentido de oferecer aeronaves com maior capacidade para as viagens ao país da terceira maior economia do mundo. O A380 da Emirates aumentará a oferta de assentos em 50% mas, graças ao progresso econômico do país asiático, acreditamos que logo teremos que investir em uma expansão ainda maior ", afirmou Tim Clark, presidente da Emirates Airline.

O vôo EK 306 parte diariamente de Dubai às 04h10, chegando ao Aeroporto Internacional de Pequim às 15h10. No sentido inverso, o vôo EK 307 decola de Pequim às 23h55, pousando no Terminal 3 do Aeroporto Internacional de Dubai às 04h20 do dia seguinte.

Nas rotas para a China, a Emirates opera atualmente duas frequências diárias para Pequim, Xangai e Hong Kong, e serviços diários para Guangzhou.

Página Principal