Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Segunda-Feira, 16 de Outubro de 2017
01/09/2009

Notícias Anteriores

Agência Senado
01/09/2009 - 16h34

PLENÁRIO / Pronunciamentos
Paim acredita que questão da Aerus será resolvida pela via negociada

O senador Paulo Paim (PT-RS) expressou em Plenário, nesta terça-feira (1º), sua convicção de que as demandas judiciais que o Instituto Aerus de Seguridade Social move contra a União poderão ser resolvidas pela via negociada. O Aerus é uma entidade fechada de previdência complementar que reúne empresas patrocinadoras ligadas ao setor aéreo.

Em sua opinião, a Advocacia Geral da União (AGU), em virtude de compromisso firmado pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva, deverá aceitar uma de sete propostas apresentadas pelas entidades sindicais ligadas aos ex-funcionários da Varig. Na avaliação do senador, essas propostas "resolvem definitivamente o problema, adequando-se ao Plano de Recuperação Judicial da Varig e facilitando o pagamento pela União".

Paim disse que a hipótese de não estabelecimento de acordo, além de implicar em descumprimento de ordem do presidente da República, poderia resultar em prejuízo ao erário, uma vez que a União poderia ser condenada judicialmente a pagar integralmente os valores reivindicados pelos aeroviários.

- Tenho a firme convicção de que o presidente da República, de que o ministro chefe da AGU, tão somente aguardam o momento oportuno de anunciar a aceitação de uma das sete propostas apresentadas - disse Paim.

 

 

Agência Senado
01/09/2009 - 12h59
PRESIDÊNCIA
Senado tenta apressar solução para aeroviários

Os senadores Paulo Paim (PT-RS), Alvaro Dias (PSDB-PR), Sérgio Zambiasi (PTB-RS) e Augusto Botelho (PT-RR), assim como a presidente do Sindicato Nacional dos Aeroviários, Graziella Baggio, conseguiram marcar para esta quarta-feira (02), no gabinete da presidência do Senado, uma reunião com o chefe da Advocacia Geral da União (AGU), José Antonio Toffoli. Finalidade: conseguir um acordo capaz de pôr fim às perdas sofridas pelos ex-funcionários da Varig e da Transbrasil.

Eles conseguiram agendar essa reunião numa audiência realizada na manhã desta terça-feira (01) com o presidente da Casa, José Sarney, quando disseram estar aguardando há 120 dias que a AGU os chame para a busca conjunta de uma solução para o assunto. Enquanto o encontro acontecia na sala de Sarney, cerca de 150 dos 10 mil aposentados e pensionistas dessas empresas se manifestavam do lado de fora do gabinete, fazendo orações por um acordo definitivo.

De acordo com representantes da categoria, o que dificulta o acordo são disputas em torno dos valores a serem pagos pela União à Varig como ressarcimento por perdas provocadas por planos econômicos do passado. O governo alega que a União também tem dinheiro a receber da Varig por impostos não recolhidos pela empresa.

No encontro com Sarney, Graziella Baggio disse que, sem condições de retornar ao mercado de trabalho, esses aeroviários estão com os benefícios previdenciários reduzidos a 8% e enfrentando inúmeras necessidades.

- Junto com senadores que estão apoiando essa luta, viemos buscar apoio para uma solução definitiva para os trabalhadores de empresas aéreas que suspenderam suas operações. A possibilidade de acordo existe. Essa ação gira em torno de R$ 4,5 bilhões. A AGU pediu a suspensão do julgamento no STF [Supremo Tribunal Federal]. Já se passaram 120 dias e nada aconteceu - disse ela a Sarney.

De acordo com Álvaro Dias, "há ruído de que o governo está com dificuldade de dizer sim a esse entendimento". Em sua opinião, ou o governo concorda em chegar a uma solução ou os aeroviários retomam a ação no STF. "O governo tem que dizer sim ou não. São 10 mil pessoas que aguardam uma decisão", insistiu Alvaro.

Paulo Paim disse que a proposta levada a Sarney pela presidente do Sindicato dos Aeroviários "é factível, equilibrada e fixa um prazo certo para o pagamento".

- O José Antonio Toffoli garantiu que amanhã nos reuniremos. Pedimos que a reunião seja aqui, na presidência do Senado. Acho que é possível um entendimento para evitar uma decisão mais demorada no STF. Insistimos no acordo. É o melhor caminho. Os aeroviários estão na boca do túnel para conseguir uma solução. Isso tem tudo para ser resolvido agora - disse Paim.

 

 

Site Panrotas
31/08/2009 - 22:38h

Aéreas vivem pior fase no intl. desde a crise da Varig

Segundo análise setorial do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) relativa ao desempenho das companhias aéreas brasileiras que atuam no mercado internacional, no mês de julho a demanda por transporte aéreo regular em termos de passageiros quilômetros transportados pagos (RPK) registrou uma acentuada queda de 10,15% em relação a julho de 2008, apesar de se caracterizar como período de alta estação nas viagens ao Exterior, em função das férias escolares e do verão no hemisfério norte.

O sindicato avalia que esta retração se constituiu no segundo pior resultado no mês de julho durante a presente década, sendo melhor apenas do que julho de 2006 (-45,6%), no momento mais crítico (leilão judicial) do processo de recuperação da antiga Varig.

“A conjugação da forte retração ocorrida em julho de 2009, causada principalmente pelo agravamento da pandemia de gripe influenza A (H1N1) nos países vizinhos da América do Sul, com os reflexos da crise financeira mundial no decorrer do primeiro semestre levou à retração de 6,36% na demanda acumulada de janeiro a julho deste ano em relação ao mesmo período de 2008”, diz levantamento. Por outro lado, a oferta manteve-se quase estável com um pequeno incremento de 1,22% em julho de 2009, em termos de assentos quilômetros disponíveis (ASK).

Em sintonia com a evolução mensal, a oferta acumulada (ASK) nos primeiros sete meses do corrente ano apresentou também certa estabilidade, com o incremento de apenas 2,42% quando comparado com a oferta total acumulada entre janeiro e julho de 2008.

O aproveitamento médio da frota de aeronaves em julho ficou em 70,3%, aproximadamente nove pontos percentuais abaixo do resultado de 79,19%, alcançado em julho de 2008 - repetindo, mês considerado alta temporada para viagens internacionais para a Argentina. Chile, Estados Unidos e até Europa.

“Esta brusca queda no aproveitamento médio das aeronaves em julho afetou a ocupação média da frota nacional durante o ano, que caiu para 67,16%, com 2,83 pontos percentuais abaixo do aproveitamento médio de 69,99%, verificado nos sete primeiros meses de 2008”, diz o Snea.

Ainda de acordo com o estudo, depois de um início de recuperação no nível de atividade setorial, observada no comparativo mensal da demanda por transporte aéreo das empresas brasileiras no mercado internacional durante o segundo trimestre deste ano (abril + 3,5%, maio -5,2%, junho +2,6%), ocorreu o agravamento das preocupações com o rápido aumento na quantidade de mortes causadas pela gripe A em julho de 2009, gerando uma reação imediata com muitos cancelamentos de viagens ao Exterior, principalmente aos países sul-americanos, fazendo o comportamento da demanda retornar aos patamares negativos do primeiro trimestre deste ano (janeiro -7,9%, fevereiro -11,0% e março -13,2%).

“Neste cenário bastante difícil, as empresas brasileiras vêm se ressentindo com a continuada retração do mercado internacional, que indica uma tendência de significativa queda em relação a 2008, podendo ficar a demanda total acumulada (RPK), no corrente ano, abaixo dos 20 bilhões de passageiros quilômetros transportados pagos. Caso se confirme esta tendência, o nível de atividade setorial retornará aos patamares verificados na década passada (1992, 1993 e 1999) e irá superar na presente década apenas a demanda de 2006/2007, no período de reestruturação da nova Varig".

"Assim, o resultado das empresas aéreas de bandeira brasileira no mercado internacional dependerá da: (1) recuperação da economia mundial, (2) evolução da pandemia de gripe influenza A (H1N1), (3) estabilização dos preços do petróleo e da taxa cambial, e (4) implementação da recente liberdade tarifária nos voos de longo curso”, conclui o Snea.

Página Principal